Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Minimalismo Num Pedestal

Não é preciso ter muito, desde que se tenha as coisas certas.

Minimalismo Num Pedestal

Não é preciso ter muito, desde que se tenha as coisas certas.

18
Abr18

Pensos Reutilizáves

Beatriz Goulart

E como o prometido é devido, aqui fica a minha opinião sobre os pensos reutilizáveis.

 

Contexto: há uns tempos atrás experimentei o copo menstrual e deixei aqui no blog a minha opinião sobre o mesmo, que se perderam, podem sempre ler aqui.

 

Na altura fiz a promessa de que iria então experimentar os pensos reutilizáveis, algo que vou fazer agora mesmo. Ponto número é especificar o que são pensos reutilizáveis.

Portanto, os pensos reutilizáveis são como os restantes pensos, a questão é que são laváveis (como antigamente) e podem ser novamente utilizados, evitando assim o facto de serem descartáveis e a produção de lixo.

 

Vamos então aos prós:

  • Poupança de dinheiro. De facto, cada penso custa o valor de uma caixa de pensos, pelo menos, foi isso que eu paguei pelos meus no aliexpress. Fazendo as contas ao preço por unidade de cada penso (0,12€), aos pensos que uso por dia (aprox. 4) e ao número de dias que estou menstruada (aprox. 4), por cada período de menstruação que tenha, um penso fica pago.
  • Sem desperdício de recursos. Não só não se manda fora o penso em si, como também não há o desperdício do plástico que normalmente envolve os pensos individualmente.
  • Têm uma boa capacidade de absorção.

 

Vamos então aos contras:

  • Não são tão transportáveis quanto os descartáveis. Como podem ver na figura, eles são dobráveis, mas ainda assim ficam um pouco "massudos";
  • Não colam à roupa interior e por isso, se utilizarem saias ou vestidos, há uma certa sensação "bamboleante";
  • Dão uma pequena sensação de se estar a utilizar uma fralda, uma vez são algo massudos, e não colam à roupa interior,
  • Fazem imenso calor. O que automaticamente leva a crer que não são muito respiráveis, ainda que feitos em algodão, o que se torna desconfortável.
  • São laváveis, mas após a utilização devem ser colocados em água quente a ferver ou lavados imediatamente.
  • Alguém vai embrulhar um penso com sangue e voltar a guardá-lo na mala para o levar para casa para lavar? Sim, nojento.
  • Será 100% lavável? Qual o tempo de duração? A verdade é que ao contrário dos copos menstruais, eles não mencionam qual a previsão de duração de um penso em termos de meses ou anos, a sua longevidade. E, por outro lado, resíduos vão sempre ficar seja lavado à mão ou à máquina. É algodão. O que nos leva a pensar na futura colónia de bactérias que pode ser criada.

 

Com tantos contras, claro que a minha opinião sobre estes pensos é não os utilizar. Se se derem bem com o copo menstrual, ao contrário de mim, devem aproveitar a sua utilização e não optar por estes pensos. Poderão trazer, incluíndo, alguns problemas de saúde!

 

Eu ponderaria experimentar as novas cuecas para o período, mas a verdade é que penso que não irão divergir muito da minha opinião sobre estes pensos reutilizáveis, menos na parte de serem massudas. Para além disso, cada par custa à volta de 34€. E se pensarmos em lavá-las todos os dias, mesmo assim num dia são 3 a 4 pares de cuecas, o que dá um valor de 136€ em cuecas. O que daria aproximadamente 71 períodos para compensar o investimento, ou seja, mais de 5 anos. Provavelmente teriam que ser deitadas fora antes. E não é prático estar a mudar de cuecas em casas de banho públicas. Ou andar com cuecas sujas com sangue atrás para lavar.

 

Assim sendo, a minha próxima tentativa é encontrar pensos e/ou tampões ecológicos, feitos com algodão sem químicos e pesticidas e sem a utilização de plástico em excesso.

 

E como é óbvio, assim que descobrir, irei partilhar convosco!

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Sobre Isto

O minimalismo apresentou-se a mim não como uma moda a adoptar no momento, mas como um estilo de vida a adoptar sempre. Como Ecologista convicta, sou totalmente contra o estilo de vida de consumo desenfreado que vivemos nos dias de hoje em que interessa ter muito. Acredito que "o caminho se faz caminhando" e por isso não coloco quaisquer expectativas sobre o que o futuro trará, ao invés, acredito nas mudanças presentes e que devemos viver agora o que deve ser vivido agora. Ter muitas coisas ocupa muito espaço físico e mental, muita preocupação. Minimalizar tornou-se uma prática de relaxamento e em que ter pouco é ter muito mais.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D