Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Minimalismo Num Pedestal

Não é preciso ter muito, desde que se tenha as coisas certas.

Minimalismo Num Pedestal

Não é preciso ter muito, desde que se tenha as coisas certas.

30
Out15

Caixinha de memórias

Goulart Pinheiro

Hoje trago-vos um tema particularmente difícil. As memórias... Eu sou o género de rapariga que gosta de guardar tudo, porque nunca se sabe se um dia poderei querer relembrar-me das coisas ou não e se um dia não será giro para os meus filhos verem como eram as coisas antes. A verdade é que acabo a guardar muita tralha de que não preciso e desde que adoptei o minimalismo, que se torna difícil conciliar as coisas.

 

No que toca a memórias é dificil de seleccionar: os postais de aniversário e natal, as fotografias, o nosso primeiro peluche, etc.

A verdade é que não precisei de deitar grande coisa fora. Com o mundo tecnológico em que vivemos, é muito fácil arranjar um disco rígido (com muito espaço) e arranjar 48h seguidas para digitalizar todas as coisas e guardar. Depois é fácil arranjar caixas onde seja possível colocar as coisas lá que queremos efectivamente guardar.

 

Tudo o resto também podemos colocar em casa da mãe, da tia, na cave, no sótão, etc. e um dia mais tarde visitar.

 

Por outro lado, é importante também seleccionar se são realmente memórias, ou se são coisas para as quais nunca mais vamos olhar ou querer saber.

 

O importante aqui (e para o minimalismo) é não manter coisas que são supérfluas e desnecessárias a nossa vida. Sem claro, nunca nos sentirmos mal com isso.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Sobre Isto

O minimalismo apresentou-se a mim não como uma moda a adoptar no momento, mas como um estilo de vida a adoptar sempre. Como Ecologista convicta, sou totalmente contra o estilo de vida de consumo desenfreado que vivemos nos dias de hoje em que interessa ter muito. Acredito que "o caminho se faz caminhando" e por isso não coloco quaisquer expectativas sobre o que o futuro trará, ao invés, acredito nas mudanças presentes e que devemos viver agora o que deve ser vivido agora. Ter muitas coisas ocupa muito espaço físico e mental, muita preocupação. Minimalizar tornou-se uma prática de relaxamento e em que ter pouco é ter muito mais.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D