Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Minimalismo Num Pedestal

Não é preciso ter muito, desde que se tenha as coisas certas.

Minimalismo Num Pedestal

Não é preciso ter muito, desde que se tenha as coisas certas.

25
Mar16

Minimalisticamente Saudável

Goulart Pinheiro

Bem, decidi escrever sobre este tema, uma vez que estou viciada em vídeos de alimentação no YouTube, mais exactamente "What I Eat In a Day" (O Que Eu Como Durante Um Dia).

No entanto, o propósito, é eu dar algumas dicas sobre como ser mais saudável. Não sou nutricionista, no entanto, são algumas coisas que tenho vindo a fazer e a incluir na rotina e que descobri que fazem alguma diferença.

 

  1.  Beber 20L de água por dia. Estou a brincar, não são precisos tantos, mas beber bastante água durante o dia.Eu tenho uma aplicação no telemóvel (e há várias) que com base no peso, e na quantidade de exercício físico praticado diariamente, ela estima a quantidade de água que devemos beber durante o dia, e vai dando alertas para o fazermos. A verdade é que apenas faço isto há duas semanas, mas já sinto uma diferença gigante, em especial na pele.

  2. Nunca saltar o pequeno-almoço. Para ser sincera, não sei como é que há pessoas que fazem isto. Eu acordo sempre com uma fome, que daria para comer um boi. Pelo menos um cozido à portuguesa. Enfim, é importante, não só porque estivemos muitas horas em jejum, como é importante para iniciar o metabolismo e ganhar energias.
  3. Fazer refeições saudáveis. Por vezes é dificil, porque somos pessoas muito "ocupadas", mas a alimentação é talvez o mais importante para combater problemas de saúde. Assim, é preciso ingerir alimentos variados e saudáveis (sopas do McDonalds não contam como saudável). Embora dê mais trabalho, é mais saudável e sabe sempre melhor quando somos nós a comprar os ingredientes frescos e a cozinhá-los.
  4. Manter-se activo. No meu caso, eu tenho ido correr todos os dias de manhã. Claro que isto pode não ser o ideal para toda a gente. Mas ir a pé para o trabalho, transportes públicos ou de bicicleta, é uma boa forma de nos exercitarmos um pouco mais. Não só a saúde agradece, como o Ambiente!
  5. Plug off. A Internet, os Smartphones e afins são sem dúvida um grande avanço tecnológico, mas tudo tem que ter o seu peso e medida. Alguma vez viram o filme "Click" com o Adam Sandler? Pois bem, somos nós. Passamos o dia no telefone para "queimar tempo" para "custar menos a passar" e acabamos a desperdiçar todo o nosso tempo com a cabeça metida dentro desses pequenos aparelhos. Se estão aborrecidos, leiam um livro, peguem no cão e vão dar uma volta, durmam a sesta, telefonem para a prima e digam "vamos sair".

 

20
Mar16

1 Semana, 100% Vegan - Refeições

Goulart Pinheiro
Segunda Terça Quarta Quinta Sexta
Sumo de Kiwi com Aveia e Linhaça e Torradas com Becel Sumo de Laranja Natural e Torradas com Beces xx xx xx
Bolachas Maria Integral sem Ovos e sem Gordura Animal +Fruta Bolachas Maria Integral sem Ovos e sem Gordura Animal +Fruta Bolachas Maria Integral sem Ovos e sem Gordura Animal +Fruta Bolachas Maria Integral sem Ovos e sem Gordura Animal +Fruta Bolachas Maria Integral sem Ovos e sem Gordura Animal +Fruta
Esparguete com Alho Francês e Cebola e Molho de Tomate Sandes de Alface, Rúcula e Salsichas de Soja (3x) Salada com Massa, Milho, Cenoura e Bróculos Vegetais Fritos (Espero que em Óleo Vegetal) com Arroz Basmati Aromatizado Risotto de Seitan
Frutos Secos + Chá Frio Bolachas Maria (as de cima) + Chá Frio Frutos Secos + Gelatina Vegetal Tostas Integrais + Chá Frio Bolachas Maria + Gelatina Vegetal
Sandes de Becel e Iogurte de Soja com Cereais Tostas Integrais + Chá Verde Sandes Becel + Chá Iogurte de Soja + Cereais Pão de Leite e Leite com Chocolate
Sopa Bróculos com Batatas Cozidas Bacalhau com Natas Chá + Torradas x

 

Tal como prometido, estas foram as refeições que eu fiz durante uma semana! Os xx indica que basicamente comi sempre o mesmo ao pequeno-almoço. Isto é, normalmemente, o meu pequeno-almoço, mesmo quando não estou em modo vegan. Quando tenho tempo também faço ovos mexidos, mas nesta semana não pude fazer (ainda me corre uma lágrima quando penso nisso).

 

Na segunda refeição que fiz, também foi praticamente o mesmo, embora vá variando as bolachas que como e a fruta também vai mudando, mas normalmente é pêra, maçã ou banana. Qualquer coisa que seja fácil de trincar e que não tenha que descascar, porque isso já dá muito trabalho.

 

Todos os meus almoços foram relativamente normais. O maior problema foi sexta-feira porque ODIEI seitan. Ou não o sei cozinhar, ou aquilo é mesmo uma porcaria gigante. Enfim, o meu cão ficou feliz com o jantar dele! O almoço de quinta-feira não fui eu que o fiz, daí o "espero" que tenha sido cozinhado com óleo vegetal.

 

E sim, leram bem o Bacalhau com Natas. A verdade é que uma das minhas melhores amigas fez anos e eu não podia baldar-me. O restaurante onde fomos apenas dispunha de uma opção vegan: uma dose de batatas fritas. Achei que ficaria melhor com o bacalhau e estava bom, mas não é nada como uma bacalhau com natas caseiro. Quanto ao jantar de sexta-feira não me lembro o que comi, mas sou capaz de ter comido uma sandes ou assim.

 

Tentei não alterar muito as minhas refeições, procurando alimentos vegan de origem vegetal e assim. Mas, por exemplo, a gelatina é absolutamente horrível. Toda a gelatina que não treme-treme, não vale a pena.

 

Conclusão final: Nunca na minha vida serei vegan. Ainda admitiria vegetariana e a verdade é que faço poucas refeições de carne ou até de peixe, mas nunca na minha vida não puder comer lasanha, pastéis de nata, croissants, leite com chocolate ou um delicioso gelado italiano!

28
Fev16

Mini Missão 1

Goulart Pinheiro

Como já tinha avançado anteriormente, um dos objectivos para o blog este ano seria eu fazer algumas das mini-missões da Courtney Carver, autora do blog be more with less. Por isso, aqui está a primeira:

 

"Judge Less"

 

Depois de ter lido a missão, confesso que fiquei com algumas dúvidas em relação a ela. A verdade é que há uns anos eu costumava julgar, bastante até, as pessoas. Mas daquela maneira em que fingimos que nos pomos nos pés das outras pessoas e sabemos exactamente o que fazer naquela situação. A verdade é que não sabemos. Não sabemos até termos que passar por ela. Podemos achar que iremos reagir de uma determinada maneira, achar que "nos conhecemos muito bem". Mas não, ninguém se consegue pôr no lugar de outra pessoa, até ter que se pôr no lugar da outra pessoa.

 

A questão não é só a acção em sim, mas sim, toda a envolvente do momento. Podemos reagir de formas diferentes à mesma coisa consoante as pessoas que temos à nossa volta, o local, o clima, o ambiente, as condições sociais e económicas, as condições psicológicas. Uma acção não é uma acção em si só. Existe agregada a outros factores que influenciam a resposta.

 

Tudo isto para dizer que colocarmo-nos no lugar de outra pessoa não é suficiente para acharmos que faríamos x ou y em determinada situação.

 

E é importante ser mais tolerante e menos "julgador" em relação às outras pessoas. Podemos aprender muito com isso.

15
Fev16

Os Meus Primeiros Saldos

Goulart Pinheiro

Confesso que o título é enganador. Na verdade estes são os meus primeiros saldos sem gastar dinheiro em saldos.

 

 

Admito que não foi dificil não gastar dinheiro. Na verdade, nem pensei muito nisso. Não havia nada que me fizesse falta e sinto-me já bastante minimalista para não ter a urgência de ir à busca do melhor desconto.

 

Acho que muitas vezes aquilo que chama mais à atenção, e como é óbvio, esse é o objectivo, é as pessoas sentirem que estão a fazer o melhor negócio da vida delas. Embora, claro, na maioria das vezes não estão. Estão apenas a comprar aquilo que acham que precisam e querem apenas porque a etiqueta mostra um preço mais baixo.

 

Aquilo que comprei nesta época de saldos foi uma secretária (em janeiro) e uma cadeira de escritório (em fevereiro). E fiz, isso sim, porque necessitava e não porque estavam em saldos, até porque não estavam!

05
Fev16

Porque lavo a roupa à mão

Goulart Pinheiro

Acredito que depois de terem lido o título do post pensaram para vocês "mas ela lava a roupa à mão?". Bem, não me achem maluca, mas a verdade é que sim, eu lavo a roupa à mão.

 

A explicação é muito simples: tendo em conta que a roupa que eu tenho perfaz uma máquina de roupa, teria que utilizar toda a minha roupa para a poder lavar. O que por um lado, seria difícil e por outro, teria que misturar lãs com roupa escura, com gangas com roupa clara e era certo que iria dar asneira.

 

Para além disso, por semana normalmente só tenho roupa interior, pijama e umas duas ou três camisolas para lavar. Seria um enorme desperdício de água se eu lavasse umas pecinhas de roupa só.

 

Claro que não achem que sou COMPLETAMENTE maluca. Não lavo lençóis, nem mantas, nem toalhas, nem qualquer roupa de casa à mão; também não lavo a roupa de desporto nem as sweats à mão, embora confesso que tenha tentado, mas demoraram cerca de 2 dias a secar na corda.

 

Assim sendo, lavo a roupa da cápsula à mão (incluíndo as calças de ganga) e é da maneira que também consigo ver se as peças ficam muito sujas ou não com a quantidade de uso que lhes dou antes de as pôr para lavar.

17
Jan16

Dia 17 #30diasdesafiominimalismo

Goulart Pinheiro

O desafio do dia de hoje consiste em praticar tarefas únicas (single-tasking). Confesso que para mim este parece um desafio impossível porque sou aquele género de pessoa que gosta de fazer tudo e fazê-lo ao mesmo tempo.

 

 

Escrever e-mails enquanto passo a ferro, pensar em ideias para projectos enquanto passo a ferro. Assim send, o dia de hoje parece desafiante, mas tendo em conta que é Domingo, pode ser que seja algo fácil de concretizar. Irei focar-me em fazer uma coisa de cada vez.

30
Dez15

"30 Day Minimalism Challenge" + O Próximo Ano

Goulart Pinheiro

Há uns tempos atrás, a minha melhor amiga enviou-me um desafio. O "30 Day Minimalism Challenge". Decidi então aceitar o desafio e começar no início do próximo ano.

 

received_10207233093373335.jpeg

 

Assim sendo, durante o mês de Janeiro irei fazer um desafio por dia e fazer um post sobre cada um dos dias. Os posts provavelmente serão pequenos e rápidos porque: 1) poderá não haver muito por onde dizer; 2) Janeiro é a minha fase de exames e tenho que estudar!

 

Para além disto, irei continuar a fazer posts "normais" e irei também aceitar outro desafio. Irei tentar de 2 em 2 semanas fazer uma mini-missão da blogger de "be more with less" e postar aqui sobre a missão e sobre a minha experiência.

 

Desafio todos os que queiram a fazer também este desafio e irem partilhando as vossas experiências com o tag 30diasdesafiominimalismo.

29
Dez15

Um Ano Sem Televisão

Goulart Pinheiro

Fez aproximadamente um ano que não temos televisão cá em casa. E eu decidi partilhar esta experiência.

 

A decisão de deixar de ter televisão não foi minha, na verdade, eu fui totalmente contra ela no início. Quem tomou esta decisão foi a minha mãe depois de termos feito obras na sala. Eu fui totalmente contra porque não me imaginava a levantar-me aos sábados de manhã e não poder ir esparramar-me no sofá em frente da televisão, deixando a informação circular livremente na minha cabeça. Mais que tudo, fiquei chocada por o meu irmão ter concordado.

 

Durante algum tempo ainda tentei que a televisão voltasse. "Mas mãe, tu tens um contrato, ao menos pomos a televisão até o contrato acabar", "Mas mãe, estás a perder dinheiro". Nada disto resultou.

 

Um ano depois, posso afirmar que foi a melhor coisa que aconteceu:

  • Por agora ainda temos que a pagar, mas quando tivermos que o deixar de fazer, é menos dinheiro que gastamos;
  • Passamos muito mais tempo juntos, a conversar, do que calados a olhar para um ecrã;
  • Não deixei de ver séries, nem filmes, uma vez que o posso fazer via Internet, e melhor que isso, posso ser selectiva o quanto quiser, e não ter que me sujeitar ao que passa na televisão;
  • Não estou sujeita a toda a desinformação dos meios de comunicação social e todas as "catástrofes" e "notícias de última hora" que nos inundem a casa de medo, desconfiança e ignorância;
  • Contínuo a ler notícias, em especial porque as recebo no e-mail, no entanto, sou muito mais crítica em relação a elas;
  • O meu tempo aumentou substancialmente: como já não me levanto de manhã aos fins-de-semana para me ir deitar no sofá a ver televisão, sinto que o meu fim-de-semana ganhou pelo menos mais 24h;
  • E ainda poupamos na fatura de electricidade, uma vez que é menos um aparelho a consumir.

 

 

28
Dez15

A minha ex-cómoda...

Goulart Pinheiro

Há uns dias atrás fiz um post sobre reduzir, reutilizar e reciclar. Decidi então aplicar este conceito à minha cómoda. 

 

Uma vez que doei muitas coisas, ou as deitei fora, tenho muito menos agora, o que fez com que, por exemplo, a minha cómoda estivesse praticamente vazia. Decidi então que conseguia colocar todas as coisas que ainda lá tinha no meu roupeiro e livrar-me da cómoda.

 

No entanto, não queria simplesmente deitar a cómoda fora. Queria dar-lhe algum uso. Decidi, então, que a poderia transformar numa pequena mesinha onde pudesse colocar a bijuteria, a maquilhagem, os produtos de cabelo, etc, etc. E foi isso que fiz!

 

Embora ainda não esteja acabado - falta pintar, arranjar um banquinho, e um espelho - a maioria está feito e sem deitar muito fora. Apenas as roldanas onde as gavetas deslizavam e três tábuas de madeira foram para o lixo. Uma das gavetas serviu para fazer cama para o meu cão e as restantes para camas de reserva (ele estraga muitas), os pregos e os parafusos foram guardados na caixa de ferramentas para a eventualidade de serem precisos.

 

Deixo em seguida as fotos do processo:

 

IMG_20151216_122730 (1).jpg

Esta era a cómoda inicial já sem as gavetas

 

 

IMG_20151216_122739 (1).jpg

Uma das gavetas a servir de cama

 

 

IMG_20151216_124956 (1).jpg

Processo de desmontagem

 

 

IMG_20151216_132226 (1).jpg

Produto praticamente final - até o Blitz ficou curioso

 

 

IMG_20151216_234700 (1).jpg

Depois de tudo arrumado

 

23
Dez15

O e-mail

Goulart Pinheiro

O e-mail surgiu sem dúvida como um verdadeiro upgrade do "mail" (correio) normal. É possível enviar e receber informações muito mais depressa, comunicar com alguém muito mais depressa e até comunicar com qualquer pessoa, uma vez que muitos endereços, em especial de empresas, associações e etc. se encontram disponíveis online.

 

No entanto, o e-mail também trás uma enorme desvantagem: a quantidade de publicidade que se recebe (pelo menos, eu) por e-mail é gigante.

Eu devo receber à volta de uns 70/80 e-mails por dia (sim, rídiculo). Destes 5 são normalmente coisas importantes, e e-mails que tenho realmente que ler, 20 são coisas não tão importantes, mas que convém saber/ter e o restante publicidade de todos os lados e mais algum. Como é que eles têm acesso ao meu e-mail?

 

A maioria dos sítios de onde recebo os e-mails é de lojas de onde tenho o cartão ou de onde já comprei online, ou participei em questionários ou etc. É irritante, porque os telemóveis hoje em dia dispõem de um LED que brilha numa intensa cor até vermos a notificação ou apagarmos essa notificação.

 

Assim sendo, eu decidi fazer um "e-mail declutter". Passou por cancelar todas as subscrições de todas as newletters à medida que as ia recebendo e fazer pedidos de remoção do meu e-mail destas mailling lists. Alguns cartões que tinha, uma vez que sempre que há promoções ou novidades associadas aos cartões eles enviam e-mails, tive que os cancelar. Isto porque iria sempre recebê-los por mais vezes que dissesse que não os queria receber.

 

Também decidi que ia passar a ver os e-mails apenas 2x por dia. De manhã, por volta das 10h/11h onde vejo os que tenho e marco como importante o que preciso de ver com atenção e à tarde quando chego a casa depois das aulas e tenho tempo para ler os e-mails que marquei como importantes e ver se tenho mais algum que precise de ver.

 

A nossa vida torna-se muito mais proveitosa quando não temos que estar constantemente conectados.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Sobre Isto

O minimalismo apresentou-se a mim não como uma moda a adoptar no momento, mas como um estilo de vida a adoptar sempre. Como Ecologista convicta, sou totalmente contra o estilo de vida de consumo desenfreado que vivemos nos dias de hoje em que interessa ter muito. Acredito que "o caminho se faz caminhando" e por isso não coloco quaisquer expectativas sobre o que o futuro trará, ao invés, acredito nas mudanças presentes e que devemos viver agora o que deve ser vivido agora. Ter muitas coisas ocupa muito espaço físico e mental, muita preocupação. Minimalizar tornou-se uma prática de relaxamento e em que ter pouco é ter muito mais.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D