Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Minimalismo Num Pedestal

Não é preciso ter muito, desde que se tenha as coisas certas.

Minimalismo Num Pedestal

Não é preciso ter muito, desde que se tenha as coisas certas.

25
Mar16

Minimalisticamente Saudável

Beatriz Goulart

Bem, decidi escrever sobre este tema, uma vez que estou viciada em vídeos de alimentação no YouTube, mais exactamente "What I Eat In a Day" (O Que Eu Como Durante Um Dia).

No entanto, o propósito, é eu dar algumas dicas sobre como ser mais saudável. Não sou nutricionista, no entanto, são algumas coisas que tenho vindo a fazer e a incluir na rotina e que descobri que fazem alguma diferença.

 

  1.  Beber 20L de água por dia. Estou a brincar, não são precisos tantos, mas beber bastante água durante o dia.Eu tenho uma aplicação no telemóvel (e há várias) que com base no peso, e na quantidade de exercício físico praticado diariamente, ela estima a quantidade de água que devemos beber durante o dia, e vai dando alertas para o fazermos. A verdade é que apenas faço isto há duas semanas, mas já sinto uma diferença gigante, em especial na pele.

  2. Nunca saltar o pequeno-almoço. Para ser sincera, não sei como é que há pessoas que fazem isto. Eu acordo sempre com uma fome, que daria para comer um boi. Pelo menos um cozido à portuguesa. Enfim, é importante, não só porque estivemos muitas horas em jejum, como é importante para iniciar o metabolismo e ganhar energias.
  3. Fazer refeições saudáveis. Por vezes é dificil, porque somos pessoas muito "ocupadas", mas a alimentação é talvez o mais importante para combater problemas de saúde. Assim, é preciso ingerir alimentos variados e saudáveis (sopas do McDonalds não contam como saudável). Embora dê mais trabalho, é mais saudável e sabe sempre melhor quando somos nós a comprar os ingredientes frescos e a cozinhá-los.
  4. Manter-se activo. No meu caso, eu tenho ido correr todos os dias de manhã. Claro que isto pode não ser o ideal para toda a gente. Mas ir a pé para o trabalho, transportes públicos ou de bicicleta, é uma boa forma de nos exercitarmos um pouco mais. Não só a saúde agradece, como o Ambiente!
  5. Plug off. A Internet, os Smartphones e afins são sem dúvida um grande avanço tecnológico, mas tudo tem que ter o seu peso e medida. Alguma vez viram o filme "Click" com o Adam Sandler? Pois bem, somos nós. Passamos o dia no telefone para "queimar tempo" para "custar menos a passar" e acabamos a desperdiçar todo o nosso tempo com a cabeça metida dentro desses pequenos aparelhos. Se estão aborrecidos, leiam um livro, peguem no cão e vão dar uma volta, durmam a sesta, telefonem para a prima e digam "vamos sair".

 

22
Mar16

Como Poupar Dinheiro #2

Beatriz Goulart

Bem malta, graças a um novo desafio (sim, eu sei que estou sempre a meter-me em coisas), decidi escrever este post com algumas dicas de como poupar dinheiro no que se pode, para se gastar no que se quer.

 

Já há uns tempos fiz um post semelhante aqui. No entanto, acho que poderia não estar muito directo, ou não ter dicas concretas e normalmente, quando ando à procura deste género de coisas, gosto de encontrar listas de coisas mais directas.

 

 

Assim sendo, aqui está:

 

  1. Tentar viver com 20€ por semana: Claro que este valor pode variar consoante as receitas de cada pessoa, e os gastos que têm. No meu caso, tendo em conta que eu não tenho praticamente contas para pagar, tendo em conta que não tenho grandes encargos, decidi que (e este é o desafio) vou tentar viver com 20€ por semana. Ainda assim, vou fazer um esforço por poupar dinheiro e no final de cada semana, se sobrar dinheiro, guardo-o bem guardadinho no meu mealheiro das férias.
  2. Fazer todas as refeições em casa. Isto é completamente impossível, por isso mesmo é que, normalmente, eu cozinho todas as refeições em casa e levo-as comigo. O mesmo com os snacks que vou comendo ao longo do dia, o chá ou o café, que também levo sempre comigo.
  3. Não comprar por impulso. Embora esta possa ser um pouco mais complicado, o truque aqui é organizar, organizar, organizar. E ser consciente quando fazemos compras. No que toca ao supermercado, a ideia é planear todas as refeições, incluíndo os snacks e os "apetece-me qualquer coisa doce". No que toca a tudo o resto, a ideia é perguntar se precisam mesmo, se querem mesmo, ou se gostam mesmo. Já falámos sobre isto inúmeras vezes.
  4. Ter uma Wish List com limites. No meu caso, o meu limite é: no máximo 2 coisas por mês ou 100€. Ou seja, não gasto mais do que 100€ por mês a comprar coisas que tenha na wish list. Se o artigo que quero custar mais do que este valor, então são 2 meses sem gastar dinheiro em mais nada, apenas nessse artigo. Ou 2 coisas. Se tiver na minha lista vários artigos que todos juntos custam menos de 100€ a ideia é seleccionar apenas 2. Isto faz com que eu limite a vontade de gastar dinheiro e possa acumular para outras coisas como: VIAGENS!
  5. Manter uma lista de gastos e receitas. Isto permite que consigamos saber exactamente quanto dinheiro temos, quanto gastamos e onde, e ter uma maior consciência dos nossos gastos. Dá trabalho, mas compensa.
  6. Esquecer a moda. A moda é cíclica? Talvez, mas está sempre a mudar. Por isso, o truque é: esqueçam o que está na moda. Vistam o que vos fica bem e vos deixa confortável. Assim, não estão constantemente a comprar roupa ou acessórios apenas porque estão na moda.
  7. Façam investimentos. Não me refiro a investimentos comerciais ou financeiros, mas talvez contem como tal. Vou dar o exemplo mais prático que tenho. Eu costumava comprar malas a cada 2/3 meses. Isto porque as malas eram de má qualidade e a cada 2/3 meses as alças desfaziam-se, ficavam feias e com aspecto muito usado. Gastava por cada mala, uma média de 30€. Decidi investir numa mala melhor, a Lacoste L1212 Concept. Por 90€. A mala existe há 8 meses e está em perfeitas condições. E o investimento, já o recuperei. Comprar coisas de qualidade é importante. Porque duram muito mais e produzem muito menos desperdício, incluíndo financeiro!
  8. Façam desporto, na rua. Os ginásios low cost, são um must nos dias que correm, mas estão sempre cheios de pessoas, em salas fechadas, a suar e com o ar condicionado ligado. Parece a cultura perfeita para a proliferação de germes. E quem é que quer fazer desporto fechado dentro de uma sala? Existem imensos grupos de pessoas que correm diariamente, ou regularmente. Basta procurar na Internet ou arranjar um grupo de amigos. O mesmo para outras actividades desportivas. Façam-nas ao ar livre. A vossa saúde e a vossa carteira agradecem.

Por fim, este é o ponto essencial: perguntar o porquê de estar a guardar dinheiro. No meu caso, porque quero poder fazer viagens, muitas. Por isso, poupo onde posso para poder gastar no que quero!

21
Mar16

Favoritos de Inverno

Beatriz Goulart

E estou de férias...Embora não vá notar porque as férias são só da Faculdade e tenho que estudar na mesma. Mas só o facto de não ter que me levantar para ir para as aulas, é suficiente para me fazer levantar com outro humor.

 

Enfim, o Inverno acabou, embora não pareça muito, ainda, e por isso, chegou a altura dos Favoritos de Inverno. De novo, vou cingir-me a 5 favoritos (no máximo) porque nem tudo pode ser favorito. Para quem é novo no blog, eu passo a explicar rapidamente. Uma vez que adoptei o minimalismo para estilo de vida, já não consumo assim tanto. E se consumo sou mais consciente a fazê-lo. Por isso, não consigo fazer favoritos todos os meses, porque há meses em que não compro nada sem ser comida ou cafés. Assim, faço os favoritos de cada estação.

 

Assim sendo, aqui estão eles:

 

  • Mais uma app. De seu nome: Google Fit. Não a descobri há muito tempo, mas basta tê-la instalada no telemóvel e ter o GPS ligado e ela controla o tempo que andamos, os passos que damos e com base no nosso peso e altura, a quantidade de calorias que perdemos. Para além disso, podemos conectar a outras apps, como por exemplo, o Aqualert que posteriormente nos dará a quantidade de água que precisamos de ingerir num dia com base nos dados que o Fit lhe disponibiliza (peso, calorias perdidas, etc.). Para quem é fã de desporto e de vida saudável, esta é uma boa app.

  • O meu próximo favorito é o gel com que tenho lavado a cara. É da linha Tea Tree da Body Shop. Já o tinha utilizado anteriormente, mas comecei a utilizar outro que tinha o dobro do tamanho pelo mesmo preço do Dr. Organic, e depois passei a usar o sabonete da mesma marca porque era mais barato. Mas faz toda a diferença. Com a linha da Body Shop a minha pele fica muito mais fresca e sinto que os resultados são muito melhores.

  • O meu próximo acessório favorito foi uma lenço/manta que a minha tia me ofereceu no Natal. A cor é perfeita (cinzento) e o estilo é perfeito (normal) e por isso, o lenço torna-se bastante versátil. O facto de ser "manta" faz com que seja bastante quentinho e se possa utilizar de várias formas. O que eu tenho, é muito semelhante ao da imagem em baixo.

  • Outros dos meus absolutos favoritos este Inverno foram as minhas canetas de estimação da PaperMate. Não me perguntem porquê, mas eu adoro estas canetas. São um pouco caras e por isso mantenho poucas, mas irei comprar mais, eventualmente. Tenho a rosa escura, a verde clara e a preta (com que escrevo) e gosto imenso da forma como elas escrevem e como ficam no papel e até parece que a minha letra fica mais bonita.

  •  Para terminar, até porque o post está a ficar grande e depois é uma chatice de ler, foi a minha viagem a Dublin. Para mim viajar é a melhor coisa do mundo. Poder conhecer outras realidades (mesmo que não muito distantes), é fundamental para poder construir uma opinião sobre as coisas, para poder saber mais, e ter conhecimento de causa. E embora Amesterdão ainda esteja no topo da minha lista de capitais europeis, gostei imenso de Dublin e de certeza que voltarei aquelas paisagens verdes irlandesas!

IMG_20160207_105057.jpg

 

20
Mar16

1 Semana, 100% Vegan - Refeições

Beatriz Goulart
Segunda Terça Quarta Quinta Sexta
Sumo de Kiwi com Aveia e Linhaça e Torradas com Becel Sumo de Laranja Natural e Torradas com Beces xx xx xx
Bolachas Maria Integral sem Ovos e sem Gordura Animal +Fruta Bolachas Maria Integral sem Ovos e sem Gordura Animal +Fruta Bolachas Maria Integral sem Ovos e sem Gordura Animal +Fruta Bolachas Maria Integral sem Ovos e sem Gordura Animal +Fruta Bolachas Maria Integral sem Ovos e sem Gordura Animal +Fruta
Esparguete com Alho Francês e Cebola e Molho de Tomate Sandes de Alface, Rúcula e Salsichas de Soja (3x) Salada com Massa, Milho, Cenoura e Bróculos Vegetais Fritos (Espero que em Óleo Vegetal) com Arroz Basmati Aromatizado Risotto de Seitan
Frutos Secos + Chá Frio Bolachas Maria (as de cima) + Chá Frio Frutos Secos + Gelatina Vegetal Tostas Integrais + Chá Frio Bolachas Maria + Gelatina Vegetal
Sandes de Becel e Iogurte de Soja com Cereais Tostas Integrais + Chá Verde Sandes Becel + Chá Iogurte de Soja + Cereais Pão de Leite e Leite com Chocolate
Sopa Bróculos com Batatas Cozidas Bacalhau com Natas Chá + Torradas x

 

Tal como prometido, estas foram as refeições que eu fiz durante uma semana! Os xx indica que basicamente comi sempre o mesmo ao pequeno-almoço. Isto é, normalmemente, o meu pequeno-almoço, mesmo quando não estou em modo vegan. Quando tenho tempo também faço ovos mexidos, mas nesta semana não pude fazer (ainda me corre uma lágrima quando penso nisso).

 

Na segunda refeição que fiz, também foi praticamente o mesmo, embora vá variando as bolachas que como e a fruta também vai mudando, mas normalmente é pêra, maçã ou banana. Qualquer coisa que seja fácil de trincar e que não tenha que descascar, porque isso já dá muito trabalho.

 

Todos os meus almoços foram relativamente normais. O maior problema foi sexta-feira porque ODIEI seitan. Ou não o sei cozinhar, ou aquilo é mesmo uma porcaria gigante. Enfim, o meu cão ficou feliz com o jantar dele! O almoço de quinta-feira não fui eu que o fiz, daí o "espero" que tenha sido cozinhado com óleo vegetal.

 

E sim, leram bem o Bacalhau com Natas. A verdade é que uma das minhas melhores amigas fez anos e eu não podia baldar-me. O restaurante onde fomos apenas dispunha de uma opção vegan: uma dose de batatas fritas. Achei que ficaria melhor com o bacalhau e estava bom, mas não é nada como uma bacalhau com natas caseiro. Quanto ao jantar de sexta-feira não me lembro o que comi, mas sou capaz de ter comido uma sandes ou assim.

 

Tentei não alterar muito as minhas refeições, procurando alimentos vegan de origem vegetal e assim. Mas, por exemplo, a gelatina é absolutamente horrível. Toda a gelatina que não treme-treme, não vale a pena.

 

Conclusão final: Nunca na minha vida serei vegan. Ainda admitiria vegetariana e a verdade é que faço poucas refeições de carne ou até de peixe, mas nunca na minha vida não puder comer lasanha, pastéis de nata, croissants, leite com chocolate ou um delicioso gelado italiano!

18
Mar16

1 Semana, 100% Vegan

Beatriz Goulart

Vou dar o desafio por encerrado. Passaram 5 dias e confesso que foram os 5 dias mais dolorosos da minha vida. Para quem gosta de comer, ser vegan não é opção. Vacilei antes de tempo.

 

Gostava muito de conseguir levar este desafio durante mais dois dias, mas a verdade é que não o consigo fazer. Acho que ninguém tem bem noção das restrições alimentares que os vegans têm. Coisas que nem eu tinha noção. Como por exemplo, estava eu muito bem a comer a minha sandes de pão de centeio com Becel e uma amiga minha me pergunta: mas tu podes comer isso? E eu respondi com toda a naturalidade: Sim, é Becel. Ao que ela responde: Sim, mas a massa do pão leva gordura de origem animal. Conclusão 3: Toda a comida boa do mundo leva alguma coisa que os vegans não comem.

 

E assim é. É inacreditável o fundamentalismo pelo qual muitas pessoas se deixam levar, não podendo nunca alegar que é por razões ecológicas. Lamento informar ou decepcionar algum vegan que leia o meu blog, mas a verdade é que fundamentalismos em nada são ecológicos. O Ambiente e a Natureza vivem em equilíbrio, a predação existe, também, como forma de manter o equilíbrio da Natureza através do controlo de populações, por exemplo. E a cadeia alimentar não é uma invenção humana, é um processo de evolução extraordinário e que se acredita ter ajudado a permitr ao Homo sapiens evoluir para Homo sapiens sapiens.

 

Podemos discutir que o sistema de produção de alimentos nos dias que correm é um sistema caótico, de intensividade e que em muito prejudica o ambiente e em nada respeita os animais. Irei dar-vos razão. No entanto, não me parece que ser vegan seja a solução, acredito até que não seja sustentável. Como qualquer pessoa que se diga "crente" na Natureza, basta observá-la para saber que tudo convive em equilíbrio e que esse é o caminho.

 

Assim sendo, depois de toda a fome que passei, o meu lanche foi um Leite com Chocolate e um Pão de Leite. E era mesmo disso que estava a precisar.

Vou fazer uma tabela bonitinha das refeições que fiz nestes 5 dias e adicionar uns comentários extra.

 

 

12
Mar16

Vem Aí Mais Um Desafio

Beatriz Goulart

Portanto, decidi "abraçar" um novo desafio. E coloco "abraçar" entre aspas, porque ainda não tenho bem a certeza no que me estou a meter!

 

 

 

O desafio chama-se "1 Week, 100% Vegan" e maravilha das maravilhas, fui eu quem se lembrou dele. Lembrei-me dele por uma rapariga que conheci que é vegan. E confesso que embora já me tivesse debruçado sobre o vegetarianismo diversas vezes, não tinha pensado muito no veganismo. Os vegans não comem absolutamente NADA de origem animal.

E vocês pensam: ah, pois, não comem carne, peixe, não bebem leite, não comem queijo.

Pois bem, mas pensando um pouco melhor no assunto: não comem pizzas com queijo, não comem croissants (levam ovos), não comem pastéis de Belém (levam natas e ovos), não comem sushi (leva peixe), não comem lasanha de vegetais (bechamel e queijo), não comem bolos de iogurte, nem pão de ló húmido, não comem chocalate de leite nem sugos, não comem gelatina nem doce da casa!

 

Posto isto, decidi desafiar-me a tentar durante uma semana comer apenas coisas de origem vegetal e devo confessar que já não está a ser fácil e o desafio só começa segunda-feira.

 

Primeira barreira: fazer o plano de refeições da próxima semana e não incluir nada de origem animal. Não foi fácil, envolveu alguma pesquisa e o resultado final está concluído e poderão acompanhá-lo durante a semana no meu Instagram e as conclusões no final da semana aqui no blog.

 

Segunda barreira: encontrar os produtos no supermercado. Fiquei chocada com a falta de opções que existem nos supermercados convencionais e chocada com o preço dos produtos nas lojas especializadas. Primeira conclusão? É preciso ser rico, para ser vegan.

 

Por agora é apenas isto que tenho para dizer. No final da semana irei colocar aqui no blog a tabela de tudo o que comi durante a semana e quantos quilos engordei.

07
Mar16

Mamíferos Oficialmente Banidos

Beatriz Goulart

Não sei bem o que poderão ter pensado em relação ao título, mas eu referia-me a mamíferos banidos da minha alimentação.

 

 

 

Há uns anos atrás, deixei de comer carnes vermelhas, mais ou menos na mesma altura em que me tornei interessada nas questões ambientais. Fi-lo, não por ter argumentos válidos para o fazer, mas porque achei que tinha que o fazer.

 

Na verdade, nos dias que correm ainda não tenho argumentos que muitos possam consideradar válidos. No entanto, uma vez que não vou obrigar ninguém a deixar de comer o que quiser, parece que não precisarei desses argumentos.

 

Voltei a comer carne porque não queria "chatear" as pessoas quando me convidavam para comer, quando cozinhavam para mim ou semelhante. Nos dias que correm, já ninguém me convida. Na verdade, as opções já são mais que muitas e posso sempre andar com uma lata de atum atrás.

 

Maioritariamente decidi deixar de comer carne novamente por não sentir necessidade, vontade ou gosto em fazê-lo. Depois de muito pensar, cheguei à conclusão que não existe nenhum dos meus pratos preferidos que não possa ser feito com peixe ou com vegetais. Por isso, não vejo razões para não deixar os mamíferos em paz. Para além disso, segundo consta, é capaz de ser algo um pouco mais saudável.

 

Para já não irei deixar de comer as carnes de aves porque:

  1. Não quero desregular completamente a minha dieta alimentar;
  2. Não quero desregular completamente as pessoas à minha volta.

Assim sendo, por agora irei ficar-me sem carne de porco, coelho, vaca, cabra, antílope, girafa...

05
Mar16

As Minhas Malas

Beatriz Goulart

Confesso que não tem sido fácil vir até aqui e blogar. Se eu fosse a Pipoca Mais Doce, isto seria a minha vida e eu poderia blogar todos os dias a toda a hora. Infelizmente, como trabalhadora-estudante, a coisa complica-se um pouco mais.

 

Ainda assim, como tive uma noite de folga, decidi fazer um post porque eu sei que já tinham saudades. E o que eu decidi fazer foi uma actualização das malas que tenho. Já tinha feito (mais ou menos) um post que mencionava as minhas malas, mas tendo em conta que fiz uma "revisão" às malas e acabei a ficar apenas com 5 decidi partilhar convosco o resultado final.

 

As Minhas Malas:

  • Como já sabem, a minha mala preferida e que espero sinceramente que seja de há 8 meses para sempre, é a Lacoste L1212 Concept em Preto. É um mala discreta e grande e é excelente para colocar para lá toda a tralha com que normalmente ando, que confesso, chega a ser alguma, embora não seja do meu agrado andar com tanta coisa atrás.

  • A minha segunda mala, foi a mala que a minha mãe me ofereceu no Natal em Cortiça. Basicamente é a minha mala de fim-de-semana. Não é muito grande, porque não preciso de andar com toda a tralha atrás, mas é grande o suficiente para caber as coisas que normalmente preciso. E podem vê-la aqui.
  • A minha terceira mala é uma mochila em pele, que esteve bastante na moda há uns anos. Confesso que a comprei nessa altura e, sim, porque estava na moda. Mas gosto imenso dela, e a moda já passou e eu continuo a utilizá-la. Basicamente utilizo a mochila no Verão por ser mais prática, para passeios em que não precise de levar muitas coisas. Tem a mesma funcionalidade que a de cortiça, mas faz menos dores de costas.

  • A minha quarta mala é uma bolsa, também de pele, a tiracolo. É uma bolsa bastante pequena e que serve maioritariamente para levar a carteira, o telemóvel, as chaves e etc. etc. durante o ano letivo ao invés de colocar as coisas na mochila. É bastante mais prática e já tem uns 3 ou 4 anos.
  • Por fim, a minha última mala: uma clutch amarela. Serve maioritariamente para eventos formais. Como tenho tornado o guarda-roupa mais neutro pensei que comprar uma clutch com cor poderia dar um ar mais "alegre" às minhas indumentárias formais. No entanto, por vezes também utilizo esta mala para saídas à noite, já que tem a possibilidade de colocar uma alça.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Sobre Isto

O minimalismo apresentou-se a mim não como uma moda a adoptar no momento, mas como um estilo de vida a adoptar sempre. Como Ecologista convicta, sou totalmente contra o estilo de vida de consumo desenfreado que vivemos nos dias de hoje em que interessa ter muito. Acredito que "o caminho se faz caminhando" e por isso não coloco quaisquer expectativas sobre o que o futuro trará, ao invés, acredito nas mudanças presentes e que devemos viver agora o que deve ser vivido agora. Ter muitas coisas ocupa muito espaço físico e mental, muita preocupação. Minimalizar tornou-se uma prática de relaxamento e em que ter pouco é ter muito mais.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D